Chama-se “dor de burro”

E um dos maiores flagelos ao corredor. Tanto ataca no seio da alta competição como nos mais despreocupados corredores de pelotão. As suas causas são múltiplas e é importante estar-se prevenido para a “ dor de burro”. Chama-se “dor de burro” a uma dor aguda e passageira que se manifesta durante um esforço, no início ou durante o treino ou competição, dum lado do tronco ou do outro, abaixo da caixa torácica mas a uma altura variável. Quando ocasional é muitas vezes benigna, tornando-se crónica implica uma consulta ao seu médico Mesmo sendo frequente, não há nenhuma causa direta para a “dor de burro”.
Vários mecanismos são evocados para a explicar e essa multiplicidade de causas testemunha a nossa ignorância. No entanto, devemos conhecê-Ias pois cada uma delas intervém de maneira diferente na “dor de burro”. Muitos consideram-na um espasmo na musculatura respiratória (contracções violentas e involuntárias do diafragma). Antes de um movimento rápido, como uma aceleração, os músculos respiratórios devem estar preparados para um esforço intenso maximal mais ou menos prolongado.

Ritmo respiratório multiplicado por cinco

Quando se está em esforço, o ritmo respiratório acelera e a amplitude dos movimentos da caixa torácica
acentuam-se, o que implica um aumento de consumo de oxigénio dos músculos respiratórios. O ritmo respiratório aumenta de 10/12 inspirações-expirações por minuto em repouso (ou seja 5 a 8 litros/mn) – variando com a intensidade do exercício , para 50/60 inspirações-expirações por minuto (ou seja, de 80 a 264 lImn, o número mais alto encontrado num atleta).

Se a respiração é ineficaz (ou seja a cavar o abdómen), o consumo de oxigénio toma-se insuficiente, o que vai provocar espasmos na zona do diafragma, o principal músculo respiratório, causando dor. A favor desta tese está Pierre Mathieu, médico oficial da delegação francesa aos Jogos Olímpicos há trinta anos. No entanto, nessa altura, Mathieu deparou-se com um problema: ao passar a zona em. que os atletas sentiam a “dor de burro”, ele notou um disfuncionamento nas correias diafragmáticas (o principal músculo respiratório, o diafragma, forma duas cúpulas que sustêm os dois pulmões).

Pode-se relacionar a “dor de burro” a uma contratura devida a certos fluidos do músculo responsável pelo movimento da respiração, que tem acção dentro da caixa torácica com o fim de “expulsar” o ar já utilizado.
Este conceito está ligado à “dor de burro”, esquerda ou direita.

Prevenção (Como evitar a dor de burro).

Faça um aquecimento preparatório suficiente antes do esforço; comer três a quatro horas antes do início da competição, de forma a que a digestão esteja completa no momento do esforço; não faça uma última refeição muito pesada, pois produzirá gazes intestinais que prejudicarão o seu desempenho (feijão, sardas, maçãs, pão,etc.); beba líquidos moderadamente, mas não prescinda de se hidratar desde o fim da última refeição e o início do aquecimento para a competição.

Congestão passageira do fígado

Para outros, a “dor de burro” deve ser estudada e considerada como uma analogia às manifestações dolorosas do peritoneu (membrana contentara dos órgãos internos). Este cobre a superfície do músculo diafragma podendo evitar dores diafragmáticas que se fazem sentir através da “pontada”. A dor pode resultar de um efeito de pressão ou de tracção. Um exemplo de pressão pode ser a que um estômago cheio pode efectuar, pois só excreta o seu conteúdo depois deste estar digerido. Durante um treino ou competição, a actividade respiratória aumenta; se a acção do diafragma é insuficiente, essa tracção ou pressão (estômago cheio) manifestar-se-á com uma intensidade particular nos sítios da “dor de burro”.

Outros há que acham que os responsáveis da “dor de burro” são os músculos  intercostais. Assim, a “dor de burro” do lado direito (mais frequente) dever-se-á a uma congestão passageira do fígado. Um estudo soviético mostrou que durante uma corrida os atletas se queixam de uma dor na região do fígado, apresentando uma dilatação, sendo estes casos mais frequentes  do que os que não dão “dor de burro”, ficou igualmente demonstrado que, durante um exercício intensivo, a passagem de sangue no fígado pode diminuir até 80%, sendo que esta redução não impede o entupimento do fígado. A “dor de burro” do lado esquerdo tem o mesmo mecanismo que a do lado direito mas ao nível do baço.

O Tratamento

Não existem receitas miraculosas. Há, no entanto, manobras que podem evitar  o seu aparecimento. Por exemplo:

  • diminuir a intensidade do esforço;
  • massajar com a mão o sítio onde dói.

Se a dor persistir ou mesmo aumentar, respire, dando mais amplitude aos movimentos respiratórios, com especial incidência no movimento expiratório, que deve ser muito activo.

  1. O alívio, mais ou menos rápido, pode ser obtido através de diferentes truques experimentados por estrelas da estrada:
  2.  Inspirar várias vezes de forma profunda, dando ênfase ao movimento ventral;
  3. Inclinar-se para trás e carregar fortemente no sítio onde reside a dor, soprando durante o máximo tempo possível;
  4.  Grite fortemente AAAAHH! (relaxa a pressão sobre o músculo diafragmático);
  5.  Pegue num objecto duro, como uma pedra, e aperte-o fortemente;
  6.  Expirar, esperando um pouco sem inspirar;

Flectir o tronco para a frente e para trás, estendendo o braço suavemente,tocando com os dedos das mãos nos dedos dos pés (este movimento relaxa instantaneamente os músculos que accionam a “dor de burro” e distende o diafragma).

 Seis pontos de referência

  1.  Aparece unicamente com o esforço;
  2. É mais frequente do lado direito do que do lado esquerdo (do lado direito encontra-se o fígado que é o maior órgão da zona do diafragma);
  3. Principal causa: carência de oxigénio  dos  músculos  respiratórios (diafragma e intercostais);
  4. A “dor de burro” aparece mais frequentemente em descidas. Aconselha-se a que, em percursos mais acidentados, se expire sobre o pé esquerdo;
  5.  Um atleta com os abdominais bem reforçados está menos exposto a este problema;
  6. Prevenção: evitar comer pouco tempo antes de correr; evitar comer refeições pesadas (alimentos flatulentos); não fazer uma hidratação exagerada (beber muita água) e, para finalizar, deve fazer-se um bom aquecimento
Fonte: Revista Atletismo