Categoria: Conselhos Técnicos

Porque surgem as lesões?


Estamos em plena época de corridas pedestres, umas, com o betão e o asfalto por cenário, como desejosas de não fugir do ambiente citadino a que, muitos dos seus intérpretes estão habituados; outras, que alteram tal estatuto com a inclusão de pisos menos agrestes em certos troços dos percursos, talvez em auxílio da estrutura muscular dos participantes; outras, ainda, e cada vez com maior pujança, que mudam o título de “Corrida” pelo de “Trail” e, ao contrário das suas cosmopolitas companheiras, preferem ambientes campesinos, onde a natureza se faz sentir em toda a sua plenitude, exigindo a quem a procura elevado sentido de orientação e espírito aventureiro.

10 formas perderes rendimento


São erros nutricionais frequentes contra os quais te advertimos habitualmente, mas agora é o prestigiado American Council on Exercice quem redige a lista.

HIDRATAÇAO E SAL IMPORTANTES PARA A MARATONA


Ao realizar atividades desportivas intensas, a ” temperatura do corpo aumenta e o sangue aflui às camadas mais superficiais do corpo. Vamos eliminando o líquido e o sal para regular a temperatura interna. Além de ingerir líquidos, devemos tomar bebidas ricas em e1etrólitos nomeadamente o sódio, indispensável para que o líquido seja absorvido pelas células», explicou o Dr. Pere Pujol, membro da Association ofInternacional Marathons and Distance races (AIMD) e um dos mais reconhecidos especialistas de medicina em maratonas.

Diferenças na corrida – Mulheres


1. AS ANCAS Na medicina forense basta olhar para as ancas para perceber se se trata de um corpo de homem ou de mulher, já que este osso foi desenhado para ter filhos. São largas ao contrário dos homens, pouco profundas e estendem-se para a lateral. Na hora de correr faz com que tenhamos o centro de gravidade mais baixo e que as nossas pernas descrevam um X desde as ancas aos pés com o centro nos joelhos. Aliás, as ancas alargam para o parto e voltam ao lugar depois deste.

60 % da tua capacidade aeróbica depende de ti


Esquece a conversa de que ou nasces um bom desportista ou não há nada a fazer. Quanto à capacidade aeróbia, o fator mais importante na maioria dos desportos é que apenas 40% depende diretamente de fatores genéticos que escapam ao teu controle, enquanto 60% do rendimento é fruto do teu treino e força de vontade.