MAIS DE 100 MIL EM 35 PERCURSOS DOS 6 CONTINENTES


O MUNDO CORREU POR AQUELES QUE NÃO PODEM

Pelo segundo ano consecutivo o Mundo correu por aqueles que não podem na Wings for Life World Run, a única corrida Global e simultânea da história. A ação contou com mais de 100 mil participantes espalhados por 35 localizações dos seis continentes. Em Portugal a partida foi dada do Porto, onde nem a chuva travou o entusiasmo de um pelotão com 18 nacionalidades. Doroteia Peixoto e Daniel Pinheiro foram os Campeões Nacionais, enquanto que o Campeão Global de 2014 revalidou o título depois de correr 79,9 quilómetros antes de ser apanhado pelo Carro Meta.

A investigação destinada a encontrar a cura para as lesões da espinal-medula voltou a agitar uma onda de solidariedade, em todo o Mundo, com um número recorde de inscrições (101.280) nas várias corridas da Wings for Life World Run, que tiveram início simultâneo, apesar dos 12 fusos horários que separavam os percursos. Sob condições tão diversas como os mais de 40 graus, na Índia, ou os menos de dez, na Noruega e Rússia, os participantes voltaram a evidenciar grande empenho, tanto no campo desportivo, como no apoio à causa. 

Em Portugal, o número de inscritos pulverizou o do ano anterior, chegando aos cerca de 1800 corredores, registando-se ainda a estreia de participantes em cadeiras de rodas. O percurso teve início do Porto, em frente aos jardins do Palácio de Cristal, seguindo o traçado por Matosinhos, Vila Nova de Gaia, Espinho, Murtosa, Ovar e Aveiro.

Com um conceito inovador, a Wings for Life World Run marca desde logo a diferença pelo seu formato global e simultâneo – colocando lado a lado dezenas de milhares de participantes em 35 percursos dos seis continentes. Numa corrida ao contrário, os atletas foram desafiados a ir o mais longe possível na fuga de um Carro Meta que iniciou a sua perseguição 30 minutos depois do pelotão e foi aumentando progressivamente a sua velocidade até atingir uns inalcançáveis 35 quilómetros por hora após cinco horas de ação. Em cada país e no Mundo a competição culminou com a ultrapassagem dos últimos resistentes: a nipónica Watanabe, que percorreu 56,30 km, antes de ser alcançada, e o etíope, Lemawork Ketama, que repetiu o triunfo do ano passado, com uns incríveis 79,90 km. Estes foram coroados Campeões Globais da Wings for Life World Run e receberam como prémio uma viagem à volta do mundo. 

Em Portugal, Doroteia Peixoto e Daniel Pinheiro sagraram-se Campeões Nacionais ganhando a possibilidade de, na próxima edição, em 2016, escolherem em que cidade vão quer correr na Wings for Life World Run. Doroteia Peixoto, que já pensa na hipótese de participar, “talvez no Austrália”, no próximo ano, resistiu à aproximação do Carro Meta até aos 41,69 km. ”Não estava à espera de fazer tantos quilómetros. Fiz uma maratona na semana passada e estava a pensar ficar pelos 30 km, porque me sentia um pouco cansada. No entanto, com o decurso da prova fui prolongando a minha permanência e, apesar de as condições adversas a partir de Gaia, com o vento contra, consegui acabar com esta marca. Naturalmente que estou muito satisfeita, até por ter contribuído para esta causa”, justificou a atleta, de 32 anos, incentivada pelo apoio da embaixadora da Wings for Life World Run, Rosa Mota. Para a antiga campeã da maratona, que voltou a alinhar à partida, mais do que a conquista de um lugar no pódio, “a participação nesta iniciativa é uma oportunidade sublime de incentivar atletas e quem gosta de correr, em contribuir para uma causa como esta, de luta contra os efeitos das lesões na espinal-medula, em que os grandes talentos são os nossos cientistas” 

Já Daniel Pinheiro, após cerca de quatro horas e meia, foi alcançado pelo Carro Meta aos 67,39 km, uma magnífica marca que o colocou como o 16º atleta a nível global. Para o fundista de 31 anos, uma vez cumprido o objetivo solidário, não enjeitou a hipótese de concretizar uma marca ao seu nível. “Apanhei o meu principal adversário aos 29 km. A partir daí foi gerir, gerir, gerir. A minha ideia inicial era correr a quatro minutos por quilómetro. Depois, a partir do momento em que me encontrei na frente, foi tratar que ninguém me apanhasse”. 

Em termos de balanço, o Diretor Desportivo, José Regalo admitiu a dificuldade provocada pelas condições atmosféricas adversas, mas declarou-se favoravelmente surpreendido “pela performance dos atletas no quadro masculino e pelo modo como as situações foram sendo resolvidas ao longo da prova”, atribuindo a esta prova “características únicas”. 

Com o final da edição Wings for Life World Run de 2015, abriram já as pré-inscrições para a de 2016. A competição nacional decorrerá no mesmo traçado, realizando-se, porém a 8 de maio. As pré-inscrições poderão ser efetuadas em www.wingsforlifeworldrun.com

Mais informações em:

www.wingsforlifeworldrun.com

www.wingsforlife.com

WINGS FOR LIFE WORLD RUN 2015

3 de maio 2015 – Porto – 12 horas

35 localizações em 6 continentes

As receitas revertem integralmente para a Fundação Wings for Life