Tratamento de Lesões: Aplicação de Quente ou Frio?

O gelo provoca uma vasoconstrição, diminuindo inchaço (edema), o metabolismo local e o impulso nervoso (que coordena a contração muscular e a sensibilidade), levando à diminuição da dor. Já o calor promove a vasodilatação, o que melhora a nutrição e elasticidade dos tecidos (tendões e músculos), diminui a rigidez articular, relaxa a musculatura e igualmente reduz a dor.

A inflamação que ocorre logo após a lesão é chamada de aguda, e dura até 72 horas. Observa-se muita dor, vermelhidão, calor local e inchaço. Depois disso, a inflamação que persiste é chamada de subaguda, e a partir de 15 dias, crónica.

Ainda há muitas discussões e controvérsias sobre o uso do gelo ou calor, mas um consenso é geral: na fase aguda da inflamação apenas o gelo é indicado. Nesta fase os vasos sanguíneos ainda estão lesados, perdendo muito líquido no local, daí o inchaço (edema), sendo que o calor só faz piorar este processo. Já o gelo diminui o extravasamento deste líquido, promove a recuperação dos vasos sanguíneos, reduz danos celulares e a dor. Portanto, é a melhor técnica para ser utilizada imediatamente nas contusões desportivas.

O processo é diferente na fase crónica da inflamação, quando os vasos sanguíneos já estão recuperados e a dilatação dos vasos melhora a dor, ajuda a cicatrização e relaxa a musculatura. O que os especialistas contra-indicam é o uso do calor, mesmo na fase crónica da lesão, imediatamente após a atividade física.

1. Como fazer a Aplicação do Gelo

- Deve ser feito em repouso, de preferência deitado;

- Sempre que possível aplique o gelo em torno de toda articulação, fazendo uma pequena compressão – é importante para diminuir o edema;

- Quando a lesão for aguda, pode-se aplicar imediatamente após o trauma por um período de até 20 minutos, e repetir esse processo as vezes necessárias. Entre uma aplicação e outra deve-se respeitar um intervalo de, no mínimo, 2 horas;

- Em lesões crónicas, compressas de 15 minutos, 3 vezes ao dia, ou após a atividade física;

- Não coloque o gelo diretamente sobre a pele, deve utilizar uma proteção (um pano por exemplo), mesmo no caso de bolsas de gel;

- O spray de gelo deve ser utilizado a uma distância de 20 cm, aplicando três jatos seguidos ou de acordo com as instruções do fabricante;

- Após atividade física, pode mergulhar as pernas num tanque com água gelada (durante 6 minutos no máximo);

- Não deve fazer a compressa antes de dormir, pois pode adormecer com o gelo – a queimadura é grave.

2. Em que casos não se pode aplicar gelo?

Nos casos em que haja fratura exposta, infecções ou perda de sensibilidade no local.

3. Primeiros Socorros para acidentes no desporto:

Em casos de torções, rompimento de ligamentos ou músculos, o melhor procedimento é o Princípio PRICE:
P (protect the área): proteger o membro, interromper as atividades com o membro afectado;
R (rest): Relaxar a parte afetada;
IC (ice compression): Aplicação e compressão de gelo;
E (elevation): Levantar o membro lesionado, acima da altura do coração, para interromper o fluxo sanguíneo e reduzir o inchaço.

Como aplicar o gelo:
Coloque o saco de gelo por 20 minutos a cada 2 horas. Coloque algo que proteja a pele para evitar o congelamento da mesma.

4. Gelo durante a Corrida?

Alguns especialistas condenam totalmente a aplicação de gelo durante a prática desportiva. Em caso de cãimbra afirmam que a melhor alternativa é alongar e massajar bem o local até que a cãimbra passe. O gelo terá pouca utilidade para a resolução de cãimbras porque é pouco eficaz no mecanismo responsável por estas contrações involuntárias.

No entanto há especialistas que defendem e praticam a aplicação do gelo nesses casos e relatam excelentes resultados. Usar gelo em abundância no local diminui os estímulos de certas fibras existentes no músculo e consequentemente o reflexo das cãimbras, além de melhorar a dor. Mas esta técnica deve ser acompanhada por um profissional, para se ter a certeza de que não houve nenhuma lesão grave, pois o corredor volta à prática desportiva com o local «anestesiado» pela ação do gelo, aumentando o risco e diminuindo a percepção de possíveis lesões.

5. Gelo na Dor Muscular após a Corrida

A dor muscular tardia (dor após o exercício físico) é causada pela reorganização muscular, ou seja, o processo de cicatrização após microlesões das fibras musculares (células do músculo) causadas pelo esforço físico. Essas microlesões também ocorrem nas atividades do dia-a-dia, mas em proporções muito menores e por isso não causam dor.

Há quem defenda que esta dor muscular responde muito bem com a terapia de calor, mas outros condenam, dizendo que, ao aplicar calor após a atividade física, o processo inflamatório, causado pelas microlesões musculares, aumenta. A dor poderia até melhorar no momento, mas o quadro pode piorar posteriormente. Portanto, mesmo que depois da prova o cansaço peça um bom banho quente, espere o corpo esfriar e opte por um banho frio.

Hoje em dia, uma técnica utilizada por alguns maratonistas profissionais (como, por exemplo, Paula Radcliffe) é o banho de imersão, após a corrida; o atleta entra até o nível da cintura num tanque com água e gelo. O banho de imersão recupera as microlesões musculares com muita rapidez, portanto, além de diminuir as dores, o corredor retoma o ritmo com mais facilidade, tem maior disposição para treinar no dia seguinte ou para a próxima prova.

Esse processo deve ser feito por 4 a 6 minutos, uma vez que a área de aplicação do frio é muito grande e há o risco de falta de circulação sanguínea local. Por isso, mesmo que a imersão não tenha atingido ainda 4 minutos, se o atleta achar que a dor é intensa ou não aguente mais, deve interromper imediatamente o processo.

Alguns especialistas condenam o banho de imersão, alegando que não há nenhuma evidência científica que comprove a eficácia deste procedimento. Afirmam que a reorganização muscular é necessária para a adaptação ao condicionamento físico e para o desenvolvimento da resistência e da força muscular; portanto, interromper este processo com o uso do gelo não seria adequado.

6. Gelo na prevenção de lesões

Pelo mesmo motivo da indicação para a dor muscular tardia, acredita-se que compressas de gelo ou banho de imersão praticado com frequência após a prática desportiva previnem lesões musculares causadas por intensa atividade. A rápida recuperação das microlesões prepara a musculatura, ligamentos e tendões para esforços posteriores.

Esta técnica também é indicada caso o corredor tenha uma lesão muscular, tendínea, articular ou uma cirurgia antiga, mesmo que não doa durante ou após a corrida. Ter o hábito de fazer compressas de gelo no local após a actividade desportiva pode evitar que a lesão volte a inflamar.

O gelo, se aplicado de forma breve (passar rapidamente sobre a pele) estimula a contração muscular. Mas, após alguns minutos de aplicação, causa uma diminuição do impulso nervoso, da sensibilidade (anestesia) e da circulação sanguínea local. Portanto, diminui as contrações musculares, sendo muito usado até para facilitar o alongamento ou diminuir a contratura muscular. Por isso, para alcançar o efeito anti-inflamatório, analgésico e relaxamento muscular, a compressa deve ser feita de 10 minutos a 15 minutos, no máximo.

7. Calor e Calor Húmido

O calor é uma modalidade terapêutica muito usada na fisioterapia, utilizado sempre em lesões crónicas. Melhora a elasticidade dos tecidos, permitindo melhor movimentação da articulação, principalmente em casos de rigidez pós-operatória.

Os recursos fisioterapêuticos permitem aplicação do calor profundo, atingindo tendões, músculos e articulações sem o risco de lesar a pele. Os mais comuns são ultrassom e ondas-curtas.

Em casa, o calor também pode ser usado com segurança. Caso utilize bolsas quentes, cuidado para não aplicar em regiões anestesiadas, feridas com sangramento, áreas com tumores, sobre os testículos e sobre o abdómen de gestantes. A temperatura deve ser suportável, a aplicação pode ser feita de 15 a 20 minutos, diariamente.

A limitação do uso do calor é que atinge apenas camadas superficiais do tecido. O aumento da temperatura é quase que restrito à pele e regiões mais superficiais. Dificilmente atinge tendões e músculos mais profundos.

O calor húmido vem sendo muito estudado porque consegue atingir camadas mais profundas, uma grande vantagem sobre o calor seco. Este método pode ser aplicado por compressas de toalhas húmidas e quentes. Troque a toalha à medida que for esfriando e faça a compressa por 20 minutos. A fisioterapia usa a parafina ou o infravermelho com uma toalha molhada para a aplicação de calor húmido.

Corredores que sofrem de dores ou lesões crónicas podem utilizar o calor antes da atividade desportiva para aumentar a elasticidade dos tecidos, diminuir a rigidez das articulações, aumentar a circulação sanguínea local, auxiliar no relaxamento e alongamento muscular. Não se deve aplicar calor após o exercício físico.

8. Utilizando Gelo e Calor

O contraste é uma técnica na qual são alternadas compressas quentes com compressas frias. Essa alternância de vasodilatação e vasoconstrição facilita muito a drenagem do edema. Geralmente, inicia-se pela aplicação do calor, sendo este seguido pela aplicação da compressa fria, mas se estiver ainda muito inchado, pode iniciar e terminar com o frio. Esta modalidade é muito eficaz para extremidades (mãos, punhos, tornozelos, pés): locais mais difíceis de tratamento do edema.

Separe dois baldes ou bacias, numa colocando água com pedras de gelo e na outra água morna do chuveiro (temperatura suportável pela pele). Mergulhe a mão (ou pé) no recipiente com água morna e deixe 3 minutos, imediatamente depois mergulhe no recipiente com água fria por 1 minuto, e volte para a água quente. Repita esta operação até somar um total de 30 minutos. Este processo pode ser feito diariamente.

O banho de contraste mostra-se eficaz para o tratamento de inchaço (edemas localizados), mas é pouco eficiente para evitar e tratar cãimbras e dores musculares.

Fontes:
Evelise Zaidan (Revista Contra-Relógio, Edição 209, Fevereiro 2011)
Departamento de Medicina Desportiva do Hospital Adventista de Portland, 2001.
Adaptação: www.aminhacorrida.com