Trate você mesmo das unhas negras…

 A “unha negra” é um tipo de traumatismo ligeiro que pode originar a necessidade de tratamento de um médico, embora, na maioria das vezes, o próprio corredor possa facilmente cuidar da respectiva cura. De acordo com a experiência dos Drs. Myles Schneider e Mark Sussman, autores do excelente livro “How To Doctor Your Feet Without The Doctor”, as “unhas negras”· podem ser tratadas pelo atleta desde que este siga os seguintes passos:

1 – Arranje um pequeno clips, fósforos, água oxigenada, algodão, um saco com gelo, adesivo e gaze esterilizada;

2 – Lave cuidadosamente o pé, desinfectando o em seguida;

3 – Atenue a pressão na zona da unha negra através da tentativa de extracção do sangue pisado que se encontra sob a mesma. Para conseguir este objectivo, pegue no clips e abra-o, a fim de o tornar ponte agudo e depois, com um fósforo, aqueça a respectiva ponta. Em seguida, coloque a extremidade aquecida directamente sobre a superfície da unha, conforme se pode ver no desenho anexo.

Depois, com os polegares, tente atenuar a pressão carregando em cada um dos lados da unha. Com suavidade, o fluído existente nesta começará a sair lentamente. Note-se que, por vezes, é necessário proceder à operação de aquecimento e aplicação do clips mais do que uma vez. No decorrer de todo este trabalho proceda sem pressas e nunca de uma forma brusca.

4 – Depois de ter extraído a maioria do coágulo sanguíneo, limpe cuidadosamente a área da unha com água oxigenada, de forma a desinfectar esta região. Se verificar que a unha ainda está exageradamente inchada, eleve o pé e aplique o saco com gelo durante 10 a 20 minutos, envolvendo tudo com uma toalha. Após este período, volte a desinfetar a zona e ligue o pé sem muita pressão. Recomendável colocar um pouco de gaze sobre a unha e fixá-la com algum adesivo;

5 – Nos dias seguintes há que ter um certo cuidado pois a unha pode doer com um simples toque. Se tal acontecer, coloque uma pequena esponja molhada, duas vezes ao dia e durante 20 minutos, aplicando em seguida um pouco de mercúrio e um creme antibiótico, se o tiver em casa. Se pensar correr neste período não se esqueça de colocar vaselina na zona da unha e quase em todo o pé. Utilize uma meia macia e não se esqueça de ligar o dedo com gaze e adesivo, não esquecendo, depois do treino, da imediata preocupação da limpeza do dedo atingido e se este apresentar mais sangue pisado volte a repetir as operações 3 e 4.

6 – Normalmente, as unhas negras têm a sua origem quer no uso de sapatos apertados, quer no excessivo aperto dos atacadores, quer, ainda, no pouco habitual acidente de uma -pisadela-. No período em que o atleta anda a recuperar de uma unha negra é recomendável modificar ligeiramente processo de apertar os sapatos, para o que sugerimos a variante do desenho anexo, isto é, tendo em vista uma maior liberdade do movimento dos pés através da colocação mais espaçada dos atacadores.

7 – É cada vez mais frequente que as unhas atingidas sejam as do primeiro e segundo dedos é a sua origem está intimamente relacionada com o/uso de sapatos muito justos. O corredor deve ter como máxima preocupação certificar-se da verdadeira medida do seu pé e devemos notar que algumas pessoas têm o segundo dedo maior que o primeiro, o que obriga a um maior «castigo» desta região. Por outro lado, tal exceção – que acaba por ser quase uma regra – conduz a uma situação enganadora quando da aquisição de uns sapatos, . visto que, normalmente, depois de os calçarmos a título de experiência, somos levados a erguer o primeiro dedo e se o sentimos mexer à vontade, concluímos que os sapatos servem-nos perfeita-, mente.

Esquecemos, porém, de que o dedo maior, o segundo, que não foi mexido, encontra- -se talvez apertado e daí o aparecimento do inevitável problema futuro. Julgamos agora que as unhas negras já não têm segredos para si e bom seria que as indicações dadas acima nunca fossem necessárias de aplicar.

 Acontece a qualquer um!!

por DAVID ROODMAN