- Publicidade -

Correr é uma excelente maneira de se manter em forma e qualquer um consegue fazê-lo, uma vez que não gasta dinheiro em ginásio ou equipamento caro. Pode simplesmente calçar os ténis e sair para a rua correr. Tão simples quanto isso! Porém, há quem torne desnecessariamente cara esta modalidade, acrescentando acessórios e alimentos que tornam a corrida um desporto tão ou mais caro que outro qualquer.

Paralelamente à questão financeira, sejam principiantes ou não, muitos cometem erros que podem complicar o estabelecimento de uma rotina de corrida saudável e rentável, aumentando o risco de lesões ou de treinar de forma errada. Se gosta e costuma correr, atente a estes erros que, mesmo não se apercebendo, pode estar a cometer e que podem estar a diminuir as hipóteses de correr com sucesso e a aumentar o espaço vazio na sua carteira!

Equipamento (in)adequado

Se por um lado é verdade que não necessita de equipamento caro para correr, é importante que se equipe de forma apropriada para treinar. O acessório mais importante que deve usar para correr é um bom par de ténis de corrida, por isso tente fazer alguma pesquisa antes de comprar de modo a conjugar qualidade e preço.

Se for a uma loja própria, fale com um assistente, diga para que tipo de corrida vai utilizar os ténis e ele recomendar-lhe-á as melhores alternativas que estejam dentro do seu orçamento e objetivos.

Outros acessórios como t-shirts ou calções de licra, meias próprias, uma blusa para os dias frios ou gadgets que medem quilómetros percorridos, calorias gastas e outras métricas são produtos secundários que não terão tanto impacto a nível físico no atleta, mas pelo contrário terão um impacto maior a nível financeiro, sendo dispensáveis.

Finalmente, os tapetes rolantes são talvez o maior gasto que alguém tem antes de correr. Para além de serem extremamente caras, o provável é que essas máquinas fiquem abandonadas no sótão passado uns meses ou numa plataforma online de venda de produtos usados.

Se por um lado é verdade que não necessita de equipamento caro para correr, é importante que se equipe de forma apropriada para treinar. O acessório mais importante que deve usar para correr é um bom par de ténis de corrida, por isso tente fazer alguma pesquisa antes de comprar de modo a conjugar qualidade e preço.

Se for a uma loja própria, fale com um assistente, diga para que tipo de corrida vai utilizar os ténis e ele recomendar-lhe-á as melhores alternativas que estejam dentro do seu orçamento e objetivos.

Outros acessórios como t-shirts ou calções de licra, meias próprias, uma blusa para os dias frios ou gadgets que medem quilómetros percorridos, calorias gastas e outras métricas são produtos secundários que não terão tanto impacto a nível físico no atleta, mas pelo contrário terão um impacto maior a nível financeiro, sendo dispensáveis.

Finalmente, os tapetes rolantes são talvez o maior gasto que alguém tem antes de correr. Para além de serem extremamente caras, o provável é que essas máquinas fiquem abandonadas no sótão passados uns meses ou numa plataforma online de venda de produtos usados.

  • Ingira um snack leve entre 1 a 2 horas antes de treinar, algo rico em carboidratos e com poucas gorduras, fibras e proteínas. Alguns exemplos baratos e nutritivos para comer antes de correr podem ser: pão com manteiga de amendoim; banana e barra de energia; ou uma taça de cereais com leite. Para evitar complicações gastrointestinais, afaste-se de comida rica em fibra e gorduras.
  • Compare preços de suplementos que encontra em lojas de bem-estar, supermercados e de desporto com sites de e-commerce, que muitas vezes têm promoções sazonais nas quais se encomendar durante um certo período de tempo tem direito a descontos.

Por fim, não siga uma dieta baixa em carboidratos se estiver a treinar, pois precisa de uma certa quantidade deles uma vez serem o combustível mais importante para quem corre e, como sabe, encontra-os nos alimentos mais baratos que existem, como massas, tubérculos, pão, etc.

Correr em recintos pagos

Se paga uma mensalidade num ginásio ou outro sítio fechado apenas para fazer cardio, talvez seja altura de repensar esse gasto e começar a correr ao ar livre.

Para além de abrir um enorme leque de paisagens e caminhos diferentes e desafiantes para treinar e não ter de levar com a monotonia de correr sempre no mesmo sítio, correr ao ar livre – principalmente em zonas verdes – pode potenciar o rendimento, uma vez que a absorção de oxigénio pelas células é maior e, consequentemente, o metabolismo.

Hidratação estratégica

Muita gente que corre subestima o facto de perder imensos fluidos durante a corrida e não bebe água suficiente antes do treino para não ter vontade de urinar depois. O resultado é um corpo desidratado, o que pode ser prejudicial para a performance e saúde. Sejamos muito claros: uma boa hidratação é fulcral para a performance e saúde de um atleta.

Contudo, muitos escolhem a solução mais cara e fácil, preferindo comprar bebidas energéticas em vez de beberam água. Só para se ter uma noção, uma garrafa de litro de bebida energética custa em média 1,50 euros num supermercado, enquanto que a mesma quantidade de água fica a 50 cêntimos, ou seja, três vezes mais barata.

É verdade que uma bebida energética equivale a muitos e muitos copos de água e tem muito mais energia, mas se souber as doses certas de água que deve ingerir, não há qualquer problema.

A solução passa por saber qual a melhor forma de gerir a quantidade de água que ingere antes, durante e depois de correr. Uma hora antes de começar o treino, tente beber 180 a 700 ml de água ou outra bebida sem cafeína. Mas não mais que isso, para que não tenha de parar o treino a meio para urinar. Para se certificar que está hidratado antes de correr, beba outros 200 a 250 ml mesmo antes de começar.

Utilize a sede como guia durante as suas corridas. Isto pode variar dependendo do tipo de atleta que é, mas em geral quem costuma correr a ritmos mais elevados deve beber 200 a 220 ml a cada vinte minutos e quem tem ritmos mais baixos, entre 180 a 200 ml.

Para treinos longos (90 minutos ou mais), nessa ocasião já se justifica que os fluidos ingeridos incluam uma bebida desportiva para repor os níveis perdidos de sódio e outros minerais (eletrólitos).

Dicas:

  • Utilize sempre a mesma garrafa e vá a encher ou com água da torneira, ou com um garrafão que tenha em casa. Deste modo não precisa de comprar uma cada vez que vai correr. Dada a diferença de minerais constituintes numa e noutra, até é bom ir variando;
  • Se ficar sem água a meio da corrida, em vez de ir comprar, tente escolher trilhos que tenham bebedouros. Aí, reabasteça-se a si e à sua garrafa.

Como vê, é possível tornar esta modalidade já por si low-cost numa atividade ainda mais barata!

 

Este artigo foi produzido pela equipa do ComparaJá.pt, a mais recente plataforma online de agregação e comparação de produtos financeiros em Portugal, como cartões de crédito e crédito pessoal.