A forma certa de correr: 8 qualidades que todos os corredores precisam saber

0
Qual é a forma certa de correr? Esta é a pergunta de muitos corredores iniciantes e até de longa data. Na verdade, não há uma resposta única para esta questão, visto que cada corpo tem suas características, que vão da pisada até a posição da coluna. Mas há qualidades e aspectos que podem e devem ser trabalhados para conquistar o jeito certo de correr — e que devem ser orientados por um treinador especializado, sempre que possível.
Veja  pontos que são essenciais para definir o jeito certo de correr:

  • Flexibilidade: aquela ideia de que “se não usar, atrofia”? Pois é, para ser flexível precisa alongar o seu corpo; um bom corredor tem um corpo forte e flexível em todos os sistemas (músculos, tendões e articulações). Se não for flexível,  limita a amplitude de movimento para a corrida e para outras modalidades. Uma sessão leve de alongamento por dia já é suficiente para aprimorar sua flexibilidade e, dessa forma, reduzir as chances de lesões.
  • Postura: a técnica de corrida e a eficiência são directamente proporcionais à qualidade da postura. Os braços também precisam ajudar o corpo a se movimentar para a frente, a cabeça ajuda o tronco ereto, porém levemente inclinado à frente, em uma postura que favorece toda a biomecânica do corpo enquanto corre. A postura errada não só pode favorecer lesões ao sobrecarregar os músculos com o impacto, mas pode restringir a circulação do sangue para os músculos, órgãos e o suprimento de oxigénio para o cérebro. Hora de pensar duas vezes ao pular a sessão de exercícios educativos!
  • Boa movimentação das pernas e pés: quando coloca no chão com os pés muito à sua frente, ao invés de pará-los abaixo de (no centro de gravidade do corpo), pode aumentar o risco de lesões nos isquiotibiais e nos joelhos, por exemplo. A posição certa dos pés tocando o solo e o movimento de pernas faz toda a diferença, por isso é fundamental aprender o jeito certo de correr. Seus joelhos devem estar flexionados em um ângulo de 90° quando  estiver aquecido e correndo em um ritmo médio. A pisada mais adequada para a economia de corrida é com o mediopé para a frente.
  • Cadência: a maioria das pessoas tem uma cadência baixa (o número de passos dados por minuto). Mas, vale saber qual a sua cadência para entender na prática o que estamos falando. Pense assim: na corrida, quanto mais tempo leva para dar uma passada, mais tempo seu pé fica no chão e mais energia seu corpo vai gastar para suportar o peso do seu corpo em cima das pernas e pés. Quantos passos  dá por km? O ideal é tentar manter uma cadência de 85-90 passos por minuto em cada perna; ou seja, 180 seria o número ideal de passadas por minuto. Como fazer para calcular isso na corrida? Um aplicativo de metrônomo no seu celular pode ser bom para descobrir a cadência ideal.
  • Autoconhecimento:  precisa conhecer seu corpo, limitações e pontos altos para evoluir no desporto (e para fugir de lesões). Por que dói, onde dói, se pode acelerar mais ou se deve parar, entre outras questões físicas e psicológicas que podem surgir ao longo dos seus desafios, superações e momentos importantes no desporto.
  • Força mental: se quiser correr mais rápido, mais longe e sem machucados, precisará usar o cérebro para reeducar o corpo. Ainda mais quando falamos de movimento na corrida. A mente é tão importante quanto as pernas; por isso, o treino mental é essencial para melhores passadas.
  • Respiração: o oxigénio é usado pelos músculos para converter os combustíveis armazenados em energia, e qualquer redução na absorção de oxigênio afetará sua capacidade de queimar glicogênio muscular. É mais ou menos assim: quando respiramos, o peito não sobe e desce a cada respiração. A respiração correta, chamada de diafragmática, é toda na área abdominal, que se expande e se contrai, como é quando  quer encher uma bexiga de ar, por exemplo. Assim é como devemos respirar o tempo todo. Quando a respiração é superficial,  só usa a parte superior de seus pulmões e não tira melhor proveito de sua capacidade pulmonar.
  • Posição de joelhos e cotovelos: quanto menos  dobrar os braços e as pernas, mais trabalho os músculos terão que fazer para correr, mais energia é gasta e a corrida será menos econômica. A posição dos braços e pernas é importante para que o movimento seja harmônico e leve para a corrida. O ideal é que os antebraços e canelas fiquem paralelos ao solo quando  estiver no meio da fase aérea da corrida. Nem muito esticados, nem muito dobrados. Não se esqueça de que músculos tensos restringem a amplitude de movimento e dificultam a corrida mais rápida.