Cãimbra muscular

0

Se existe um quadro que pode ser considerado um verdadeiro fantasma para o corredor, sem dúvida é um episódio de cãimbra. Trata-se de um espasmo (contração involuntária) de um ou mais músculos que, por manterem-se nesse estado de contração vigorosa, provocam um quadro de dor geralmente muito intensa. Ao dar um pique durante um treino ou até mesmo quando se está deitado na cama à noite, sente-se uma dor paralisante na perna. A sua panturrilha fica contraída, como se tivesse dado um nó. O incómodo dura alguns segundos ou minutos, e também pode atingir um ou mais músculos do corpo, como as coxas, mãos, pés, o pescoço e abdómen. São as câimbras, que estão entre os maiores pesadelos dos corredores. Vai disputar alguma prova no próximo fim de semana? Então, fique por dentro do assunto para não se tornar outra vítima deste problema.

Causas

A contração muscular localizada e involuntária se manifesta geralmente na prática de uma atividade física se o desportista estiver pouco condicionado ou mal alimentado. O espasmo aparece quando os músculos carecem de condições adequadas para realizar um esforço diferente do habitual.

A cãimbra pode ocorrer num momento de relaxamento, normalmente à noite, após uma intensa atividade física. Mas momentos de esforço muscular intenso também ocasionam o surgimento deste espasmo. Confira algumas causas:

– Atividade física vigorosa (durante ou após o esforço);
– Desidratação (provas longas);
– Alterações hidreletrolíticas (perda de cálcio e magnésio);
– Falta de sódio;
– Fratura ou stress ósseo (como autoproteção, os músculos ao redor da lesão se contraem involuntariamente);
– Alterações metabólicas (diabetes, hipotireoidismo, anemia, alcoolismo e hipoglicemia);
– Doenças neurológicas como Parkinson, doenças do neurónio motor ou doenças primárias dos músculos (miopatias);
– Insuficiência venosa e varizes nas pernas;
– Longos períodos de inatividade;
– Deficiência de vitaminas (principalmente B1, B5 e B6);
– Alguns medicamentos (diuréticos, antihipertensivos, etc.).

Como Evitar

As cãimbras podem ser prevenidas evitando a prática de qualquer esforço físico excessivo após as refeições e através do alongamento do corpo antes de um exercício e de dormir. Outro ponto fundamental é a alimentação diária. Para evitar os espasmos involuntários é necessário adotar uma dieta variada, rica em vitaminas e minerais (potássio, magnésio, cálcio e sódio) e hidratação, com alongamentos antes e depois do treino e descanso.

Também é indicada a ingestão de frutas (banana, morango, mamão, água de côco, melancia), verduras (verde escuras – couve, espinafre, brócolos), legumes, leguminosas (feijão, lentilha, grão de bico), cereais integrais (arroz integral, aveia), nozes e castanha.

As grandes perdas de sódio e líquidos costumam ser fatores essenciais que predispõem as cãimbras. O sódio é um mineral importante na iniciação dos sinais dos nervos e ações que levam ao movimento nos músculos. Por isso, um déficit desse elemento e de líquidos pode tornar os músculos sensíveis. Nessas condições, uma leve tensão e um movimento subsequente podem fazer o músculo se contrair e se contorcer incontrolavelmente.

Corredores têm grande perda de sódio e líquidos pelo suor, por isso, em atividades acima de uma hora ou em ambientes muito quentes é fundamental, além da ingestão de dois a três litros de água diariamente, o consumo de bebida isotónica para reposição de sódio.

Tratamento

São necessárias boas condições de oxigenação para se evitar as cãimbras. Ou seja, é necessário parar a atividade e respirar profundamente, hidratar-se, alimentar-se e massajar a área em contração e, se possível, alongando o músculo. Quando aparecerem durante um exercício, tome as seguintes medidas:

– Beba muito líquido para ficar hidratado durante o exercício. Reponha níveis de sódio durante os intervalos de exercícios pesados e transpiração abundante com uma bebida desportiva como os isotônicos;

– Assegure uma recuperação nutricional adequada (particularmente para o sal) e descanse os músculos após um treino intenso. Quando sentir cãimbras tente alongar o músculo afetado e/ou massaje a região afetada;

– Cuidado quando a cãimbra não passar. Se você continuar o exercício, poderá ocorrer uma lesão mais séria no seu músculo. Existem condições clínicas específicas que levam às cãimbras e que devem ser tratadas especificamente por profissionais de saúde.

Fonte: Globo Esporte.

Adaptação: www.aminhacorrida.com