- Publicidade -

O aparecimento do cansaço em corridas longas é inevitável. A força muscular e a capacidade cardiorespiratória, começam a diminuir e, assim, o ritmo da corrida torna-se mais lento, a respiração começa a ficar mais descontrolada e os músculos das pernas começam a arder.

São os sinais típicos da fadiga. Mas porque é que aparecem primeiro a uns atletas do que a outros? Como é que uns consegue, retardar estes sintomas e outros não? Tiago Silva é ex-atleta e personal trainer de corrida e ajuda-nos a responder a estas questões.
A grande diferença está, naturalmente, num bom plano de preparação, que deverá, no entanto, seguir um método de treino específico. O truque para manter a fadiga afastada nasce da mistura de duas componentes, com dois objetivos específicos: uma boa carga de quilómetros semanais e uma forte aposta em treinos por séries.
De acordo com Tiago Silva, esta “boa carga de quilómetros semanais”, em que se “executa o dobro ou quase o triplo da distância” da prova em questão, é essencial e obrigatória, uma vez que serve para os atletas se prepararem, tanto a nível psicológico (para enfrentar a distância), como a nível da força de pernas.
“Para a meia maratona, completar, pelo menos, duas semanas com 40 a 60 quilómetros semanais e para a maratona fazer ente três a quatro semanas com 80 a 100 quilómetros semanais”.
A importância dos treinos por séries
Juntamos ao número de quilómetros percorridos, o segundo fator essencial: fazer treinos por séries. É este método que vai fortalecer o sistema cardiorespiratório, tornar o atleta tolerante ao esforço, promovendo, assim, uma respiração controlada, sem que haja falta de ar.
“É uma forma de aguentar a corrida, mesmo quando começamos a sentir algum cansaço de pernas.”
Os treinos por séries consistem em percorrer várias vezes distâncias mais curtas, mas a grande velocidade, seguindo o estilo do sprint. O PT aconselha duas sessões por semana”, sendo que uma deverá ser de “séries curtas até 500 metros” e outra de “séries longas de 2000 metros”.
Vale ainda a pena referir que este método de corridas curtas e rápidas é uma forma para retardar o efeito do ácido lático, uma substância que provoca um ardor muito forte e que é libertada pelos músculos quando este está em grande esforço.
O grande truque para retardar o cansaço das corridas passa, portanto, por ter um plano de treino que contemple o aumento da resistência em todos os fatores que poderão ser potencialmente desencadeadores da fadiga. São estes o cansaço muscular e a falta de capacidade cardiorespiratoria. A solução: uma boa carga de quilómetros semanais e uma forte aposta em treinos por séries.