- Publicidade -

A corrida nos trilhos (vulgarmente conhecida como trails) é uma das variantes do atletismo que permite maior liberdade. Quer do terreno que se pisa, quer do ambiente, quer mesmo das dificuldades. É uma corrida em que o ser individual mais é colocado à prova. Por isso, frequentemente, vemos desabafos dos corredores muito baseados nas sensações que vão a adquirir consoante as dificuldades.

E a norma é que cada corredor faça a sua progressão de acordo com as sensações que o seu corpo proporciona-lhe. Assim, sentirá melhorias diárias até ao momento mais alto, o dia em que se sente totalmente “viciado” por este desporto.
Nos trails há todo o tipo de corredores: existem os que treinam quase todos os dias, porque não o conseguem deixar de fazer, sabe-lhes bem e querem mais, caindo vulgarmente em excessos que depois levam a uma progressão menos fulgurante; e existem os que percebem que necessitam de uma melhor planificação. A principal razão é a falta de tempo para treinar, pelo que tentam optimizar ao máximo os momentos livres e preferem seguir um plano adequado às suas características.
Cada corredor tem uma base própria e perante a curiosidade do treino e das distâncias, procuram perceber e saber algumas coisas mais, algo que na internet se encontra, ou com o amigo corredor. Contudo, tal como no treino para o meio-fundo e fundo, o importante é procurar um aconselhamento mais a sério, com treinadores experientes que possam transmitir conselhos mais adequados às suas necessidades e até mesmo elaborar-lhe um plano de preparação e treinos para o seu objectivo
Aqui, neste artigo, deixamos uma abordagem mais genérica, procurando dar-lhe pistas para essa incursão nos trilhos.
Que tipo de corrida é a melhor?
Deixe de lado a ideia de colocar um dorsal e enfrentar a montanha. Se tiver feito uma boa preparação e começar com calma, tudo correrá bem. O seu objectivo – independentemente do seu nível mais competitivo – pode não ser partir com os primeiros, mas sim chegar à meta.
Na montanha, quando se encara este desafio, o mais complicado é ser capaz de conjugar a própria energia com a distância e, como ainda é um estreante nestas sensações, está em processo de auto-conhecimento, sendo as suas capacidades mais limitadas. Opte por uma prova mais curta e mais simples. Qualquer prova do calendário nacional que ronde os 10-15 km poderá ser o cenário ideal para estrear a sua abordagem ao mundo do trail.
Contudo, apesar de ser uma prova “curta”, o maior cuidado a ter prende-se com as características do percurso, devendo ter em atenção ao desnível positivo e à percentagem de terreno técnico. Na sua estreia, uma possibilidade de 1.000 metros de desnível positivo deverá ser o aconselhável – melhor se for menos – assim como uma superfície de passada fácil que não implique demasiada dificuldade para avançar.
Dicas para enfrentar a montanha
Deixamos agora um conjunto de dicas para que possa enfrentar a montanha com maior conhecimento, garantindo a sua maior segurança.
A – Procure os serviços de um treinador experiente e profissional. É o mais sensato que pode fazer na hora de optimizar o seu tempo, esforço e, especialmente, prevenir lesões ou treino excessivo.
B – Se está em boas condições físicas, está em situação de começar a treinar para terminar calmamente a sua primeira corrida de trail. Verifique a distância e desnível que lhe recomendámos e não se precipite: prepare-se durante dois meses, pelo menos. Cerca de 8 a 10 semanas deverão ser suficientes, isto se for capaz de correr, pelo menos, 30 minutos seguidos.
C – Não comece com treinos diários, opte por treinar três vezes por semana. Se conseguir, ao fim de três semanas, aumente para quatro treinos.
D – Mantenha-se focado e realista com os seus objectivos. Estes devem estar num melhor patamar de acessibilidade para que a sua estreia seja um sucesso. De certeza que não gostaria de desistir na primeira corrida de trail que faz.
E – Questione-se sempre. Analise e explique os motivos que o levaram a escolher este desporto e esta vertente em particular e a investir nele tempo tão precioso. Esta introspecção poderá garantir-lhe uma longa e feliz vida de trail.
F – Não tenha medo de andar! Toda a gente quer correr o máximo de tempo que puder e conseguir fazê-lo todo o tempo, nas subidas e nas descidas, mas em muitos momentos enfrentará subidas ou descidas mais técnicas e com o acumular do cansaço caminhar será mesmo a única solução a adoptar. Poupar energia e desgaste muscular ao mesmo tempo que atravessa desníveis quase à mesma velocidade que se fosse a correr é um segredo dos melhores corredores de trail.
G – As descidas podem ser um problema. Adopte-as como amigas. Nas subidas, correr ou caminhar depende da sua “máquina”, já a descer entram outras componentes, como reflexos, antecipação, atenção, concentração, etc. Ser “amigo” das descidas e enfrentá-las com fluidez e dinamismo é um dos maiores objectivos que pode ter como atleta de trail. Nos treinos deve tentar ensaiar descidas.
H – Correr na montanha exige muito do nosso corpo. Trilhos estreitos, pedras, gravilha, desníveis, ou troncos caídos, vão exigir muito do seu “esqueleto”. Eles colocam o seu aparelho músculo-esquelético em provação a todo o momento, por isso há que treinar a força, nas suas pernas, com exercícios práticos, para depois não fraquejarem no momento certo, e principalmente as articulações (joelhos e tornozelos, especialmente). Realizar trabalhos específicos de força excêntrica é fundamental. Também é necessário reforçar o core – as pranchas abdominais são excelentes-, pois a maior concentração de esforço estará ali e terá que o manter firme e estável.
I – Não pense no tempo ou marca que irá fazer. Correr na estrada ou trilhos só é idêntico na modalidade: atletismo. Por muito pouco desnível e zonas técnicas que tenha um percurso na montanha (apesar de ter a mesma distância que uma prova de estrada normal), a verdade é que os tempos finais serão sempre muito, mas muito superiores. Esqueça ritmos ao quilómetro e desfrute em cada passada.
J – Quando chegar à meta verá que desfrutar de uma prova deste tipo, o fez evoluiu como corredor. A partir daqui o melhor será descansar, activamente, com mais caminhada ou outro tipo de treino que liberte as articulações, e começar a pensar no próximo desafio.
fonte https://www.ligarunning.pt/