- Publicidade -

 

Com o aumento de desportistas que procuram as vias públicas para a prática regular da sua corrida têm-se verificado recentemente alguns incidentes no capítulo da segurança, Correr seguro. Se, por um lado, uma das vertentes deste complexo capítulo da segurança individual dos corredores está relacionada com a problemática dos acidentes rodoviários, os quais assumem maior volume nos meses de Outono e Inverno, principalmente devido ao facto de haver toda uma menor visibilidade (chuva, nevoeiro, menos horas de luz solar … ).

Outra, está directamente relacionada com pseudo ataques a pessoas que estão a correr, regra geral infligidos por grupos de jovens malfeitores a corredores isolados e nomeadamente a desportistas veteranos.

No Porto, na zona do Parque da Cidade, um corredor com 61 anos, foi vítima desses ataques, tendo saído muito mal tratado desse “encontro”, e tudo isto, para lhe roubarem um relógio pulsómetro e os .sapatos, igualmente, em fins de Agosto, tivemos conhecimento de outro caso, desta vez ocorrido na praia de Lagos, quando um turista francês foi interpelado por dois jovens que lhe roubaram o léitor de Cds e o relógio cronómetro …

O que fazer?

Que segurança poderá ter o corredor isolado que está a correr descontraidamente?

Será ,que o melhor é ir para a sessão de treino com-urna arma de defesa?

Vejamos alguns,pontos que consideramos importantes no capítulo ‘da segurança contra malfeitores. São oito aspectos que quando são respeitados podem contribuir para que a sessão de treino seja muito mais

1. Tente efectuar o seu treino na companhia de um ou mais corredores. Este é um princípio geral que está relacíonado com a quantidade de intervenientes numa acção. Numa estatística publicada, no início do ano, pelo RRC de New York verifica-se que 98% dos ataques acontecem com atletas isolados!

2. Não corra a escutar música. Ao som de uma boa música e com o prazer acumulado pela própria corrida é fácil o desportista “esquecer” tudo aquilo que o cerca. Na mesma estatística do RRC NY verifica-se que, dos 98% dos ataques a pessoas isoladas, 61% estavam a correr com “fones” nos ouvidos, situação que faz com que a percepção de qualquer ataque seja muito mais  fraca e sobretudo sem qualquer tempo de reacção por parte do agredido.

3. Evite locais ermos, com muito arvoredo, zonas de casas abandonadas ou bairros mal frequentados. Há parques nas cidades que são verdadeiras “zonas proibidas” talo perigo de se encontrarem grupos de malfeitores. Há que evitar zonas sem luz para os atletas que preferem correr no período nocturno.

4. Não use joias, ou outros objectos que possam chamar a atenção. A ostentação com o recurso a “bons equipamentos” pode ser algo perigoso para quem corre sozinho. Se é certo que o uso dos pulsómetros começa a ser muito utilizado há que os dissimular por dentro do equipamento, da mesma maneira que outros aparelhos de controlo. Quanto aos sapatos de “boa marca”, não há nada a fazer, mas o que é uma realidade é que muitos ataques surgem exatamente em virtude dos sapatos de marca utilizados pelos corredores isolados.

5. Dinheiro apenas leve o mínimo indispensável. Chaves de casa? Apenas a da porta maior! Chave da viatura? O mais dissimulado possível! Documentos pessoais? Nunca! Pistola doe alarme? Nunca! Apito de sinalização? Sim, nomeadamente se for uma corredora! Telemóvel? Só se estiver escondido e for utilizado para efectuar’ chamadas de emergência! Bolsa de cintura? Nunca!Correr seguro

6. Tenha o hábito de colocar numa pulseira de pano ou plástica sua identificação e um telefone em caso de acidente. O ideal é usar aqueles elásticos para o cabelo e colocar num papel plastificado estas informações a serem utilizadas em caso de emergência.

7. Se passar por um grupo de indivíduos que o insultem ou o chamem para ir ter com eles não reaja e continue a correr. O melhor é fingir que não se ouviu ou então responder qualquer coisa em inglês e sempre não manifestando nenhum ar receoso.Correr seguro

8. Não utilize sempre o mesmo percurso e treino. Tente variar os trajeto para que08 os possíveis agressores não possam programar as “horas do ataque”. Se verificar que há algo de anormal no seu trajecto altere tudo ou então imprima um ritmo de corrida mais rápido.

Revista Spiridon