Distensão da musculatura glútea…

0

O que é a distensão da musculatura glútea? Os músculos glúteos são os músculos que formam a nádega; uma distensão glútea significa que esses músculos sofreram ruptura ou estiramento de suas fibras.

Como ocorre? Ocorre frequentemente durante a corrida (com ou sem obstáculos), o salto e a dança.

Quais são os sintomas? Dor na nádega ao subir e descer escadas, ao sentar e ao movimentar a perna para trás.

Como é diagnosticada? O médico examinará o quadril, as nádegas e as pernas à procura de sensibilidade nos músculos glúteos.

Como é tratada? O tratamento pode incluir:

  • Aplicação de compressas de gelo, por 20 a 30 minutos, sendo que a cada 8 minutos de gelo deve-se fazer uma pausa de 3 minutos. Pode ser feita a cada 3 ou 4 horas, por 2 ou 3 dias ou até que a dor desapareça,
  • Administração de medicamentos anti-inflamatórios.
  • Fisioterapia.

Durante a recuperação da lesão, o desporto ou a atividade realizados anteriormente à lesão, deverão ser mudados para que não piore a condição.

Por exemplo: nadar ao invés correr.

Quando retornar ao desporto ou atividade? O objetivo da reabilitação é que o retorno do paciente ao desporto ou à atividade aconteça o mais breve e seguramente possível. O retorno precoce poderá agravar a lesão, o que pode levar a um dano permanente.
Todos se recuperam de lesões em velocidades diferentes e, por isso, para retornar ao desporto ou à atividade, não existe um tempo exato, mas quanto antes o médico for consultado, melhor.

O retorno ao desporto ou à atividade acontecerá, com segurança, quando os itens listados abaixo forem realizados, progressivamente:

  • Possuir total alcance de movimento do lado lesionado, em comparação ao não lesionado;
  • Possuir total força do lado lesionado, em comparação ao não lesionado;
  • Correr em linha reta, sem sentir dor ou mancar;
  • Correr em linha reta, a toda velocidade, sem sentir dor ou mancar;
  • Fazer viradas bruscas, a 45º;
  • Fazer viradas bruscas, a 90º;
  • Fazer o “8” com 18 metros;
  • Fazer o “8” com 9 metros;
  • Pular com ambas as pernas e depois, somente com a perna lesionada, sem sentir dor.

Como evitar a distensão glútea? A melhor maneira de evitá-la é aquecendo-se e alongando-se adequadamente antes e depois de realizar as atividades.

Exercícios de reabilitação para a distensão glútea:

Os exercícios a seguir são apenas um guia do tratamento básico, por isso o paciente deve fazer o tratamento acompanhado de um fisioterapeuta, para que o programa seja personalizado.

Esses exercícios podem ser realizados desde que a dor aguda não esteja mais presente e devem ser progressivos.

1 – Alongamento Com Um Único Joelho Sobre o Peito:

  • Deitar sobre as costas, com as pernas estendidas.
  • Trazer o joelho do lado lesionado para cima do peito, segurar na parte de trás da coxa e puxá-lo de encontro ao peito, alongando o músculo da nádega.
  • Manter essa posição por 30 segundos e retornar à posição inicial.
  • Repetir 3 vezes.

2 – Alongamento em Pé da Musculatura Isquitibial:

  • Começar colocando o calcanhar da perna lesionada sobre um banco de, aproximadamente, 40 cm de altura.
  • Inclinar o tronco para frente e flexionar o quadril até sentir um leve alongar na parte posterior da coxa.
  • Colocar as mãos nos pés, ou tornozelo caso não os alcance.
  • Manter os ombros e as costas eretos.
  • Manter o alongamento por 30 a 60 segundos e repetir o exercício 3 vezes.

3 – Isométricos Glúteos:

  • Deitar sobre a barriga, com as pernas estendidas.
  • Contrair os músculos das nádegas e manter por 5 segundos.
  • Relaxar e repetir 10 vezes. Fazer 3 séries.

4 – Extensão do Quadril de Bruços:

  • Deitar sobre a barriga e contrair as nádegas, uma contra a outra, e elevar a perna lesionada, aproximadamente 10 centímetros do solo.
  • Com a coluna reta, manter a perna elevada por 5 segundos e relaxar.
  • Fazer 3 séries de 10.

5 – Extensão do Quadril Com Resistência:

  • Amarrar o Thera Band (faixa terapêutica) no pé de uma cama.
  • Em pé, de frente para a cama, prender a faixa no tornozelo.
  • Levar a perna para trás, mantendo o joelho estendido. Sem inclinar o tronco para frente.
  • Repetir 10 vezes e fazer 3 séries.
  • Quando o exercício estiver fácil, afaste-se mais da cama.

6 – Abdução do Quadril Com a Faixa Terapêutica:

  • Em pé, de lado para cama, com o lado não lesionado mais próximo dela. Manter a faixa em volta do tornozelo da perna lesionada.
  • Com a perna lesionada estendida, levá-la para longe da perna boa.
  • Retornar à posição inicial.
  • Repetir 10 vezes e fazer 3 séries.

7 – Arrancada:

  • Em pé, dar uma grande passada para frente, com a perna do lado lesionado.
  • Mergulhar o joelho do lado não lesionado em direção ao solo e dobrar o do lado lesionado.
  • Retornar à posição inicial. Repetir o exercício, mas dessa vez dando a passada com a perna do lado não lesionado e mergulhando o joelho do lado lesionado para baixo.
  • Fazer 10 repetições de cada lado.

 

Fonte