Falta de líquidos no organismo

0
- Publicidade -

Costuma preocupar-se com a ingestão de líquidos quando corre uma maratona? Ou não dá muita importância? Novos estudos afirmam que a ingestão excessiva de líquidos durante a Maratona pode ser prejudicial.

Cinco dias antes da Maratona de Boston, o The New England Journal of Medicine, publicou um artigo importante mostrando que 13% dos corredores da Maratona de Boston em 2002, poderiam ter sofrido de hiponatremia, um transtorno metabólico causado por um desequilíbrio hidroeletrolítico no organismo que leva a uma concentração anormalmente baixa de sódio no sangue. Os casos mais graves inclui o inchaço do cérebro que pode levar a convulsões e outras complicações. Tudo isto provocado por uma excessiva ingestão de água.

O resultado foi surpreendente, porque Boston tem os melhores, mais fortes e mais experientes corredores do mundo. Se Boston uma cidade conceituadíssima em termos de atletas corredores tem uma taxa de 13% relativamente ao exposto, imaginem como será em maratonas de outras cidades?

A ideia do exercício associado à hiponatremia começou a ser interpretada por Tim Noakes, o famoso especialista em Medicina Desportiva e autor de diversos livros, na década de 1970. O Dr. Noakes dedicou-se a um maratonista que concluiu a Comrades Marathon (Camaradas Maratona) sete vezes. Na altura, escreveu três artigos incitando os seus colegas corredores a beber mais líquidos.

Mas no início dos anos 80 algo estranho aconteceu. O Dr. Noakes começou a receber telefonemas de atletas e médicos, perante uma situação nunca antes vista em provas como a Maratona, a chamada “overhydration” :hidratação excessiva. A hidratação excessiva pode levar à intoxicação por água, ocorrendo quando a quantidade de sal e outros eletrólitos no seu corpo se tornam muito diluídos. Existem dois principais tipos de hiperidratação: A ingestão de água aumentada: ocorrendo quando se bebe mais água do que aquela que os rins podem remover na urina. E a retenção de água: ocorrendo quando o seu corpo não consegue livrar-se da água corretamente. Ambos os tipos são perigosos porque liberam o equilíbrio entre a água e o sódio no sangue.

Os corredores efetivamente pareciam ter consumido muito fluído. Em 1985, o Dr. Noakes publicou o artigo semanal no campo, “Água Intoxicação: uma complicação possível durante a resistência do exercício.”

No final de 2001, o Dr. Noakes foi convidado a escrever sobre a reposição de líquidos durante a Maratona. No documento, recomenda que os maratonistas consumam cerca de 400 a 800 mililitros/hora.

Sobre o consumo de bebidas desportivas e água, refere que a diferença é a pequena quantidade de sódio contida nas bebidas desportivas, mas que devem ser consumidas as duas opções.

É recomendado que a hidratação seja feita com bom senso, dependendo do tempo de duração do exercício, temperatura, etc. Por isso consulte sempre um especialista antes de iniciar a prática de atividades.