Lesionei-me! O que devo fazer?..

0

Controlar os sintomas iniciais e fazer o diagnóstico precoce é essencial para um tratamento e recuperação eficazes e mais céleres . Entorse, tendinite, rotura ligamentar ou muscular. Estas são algumas das lesões mais frequentes e bem conhecidas pelos adeptos do desporto. Mas sabe mesmo como proceder em caso de lesão?
De acordo com a American College of Sports Medicine, eis as medidas necessárias para controlar os sintomas iniciais de uma lesão (método PRICE):

1. Protection: proteger a área lesionada de futuras lesões;
2. Rest: deixar a zona lesionada em repouso para que o edema seja menor e promover uma recuperação mais rápida;
3. Ice: aplicar gelo no local para diminuir a dor e o edema. Esta medida é especialmente útil nas primeiras 48 a 72 horas;
4. Compression: fazer compressão local com ligadura é importante para controlar o edema inicial e reduzir a mobilidade;
5. Elevation: elevar a zona lesionada (preferencialmente acima do coração) ajudando a diminuir a dor e edema.

Tempo de recuperação
Depende da região do corpo lesionada, do tipo e gravidade da lesão. No entanto, é fundamental ter em conta que a tentativa de regressar à prática desportiva sem que estejamos totalmente recuperados aumenta o risco de recidiva. Assim, consultar um especialista precocemente permitirá avaliar o tipo e a gravidade da lesão e proceder ao tratamento e reabilitação mais adequados, evitando recaídas.

Consulta de lesões do desportista
É uma consulta diferenciada e orientada para o diagnóstico e tratamento de lesões provocadas pela prática desportiva – tanto de lazer como de competição. Nesta consulta são tratadas lesões ósseas, articulares, musculares e tendinosas, lesões agudas e crónicas, assim como a hérnia do desportista e a pubalgia.

Como é feito o diagnóstico
Através das queixas e das circunstâncias (mecanismo) do acidente desportivo e solicitando os exames complementares de diagnóstico adequados: radiografia, ecografia e RMN entre outros.

Lesões micro e macrotraumáticas
As lesões microtraumáticas ou de sobrecarga são o resultado de microtraumatismos de repetição associados a gestos técnicos próprios de cada modalidade, sendo exemplos as fracturas de stress e as tendinites. Já as lesões macrotraumáticas, causadas por uma agressão (cuja força provocou a lesão), englobam a entorse articular, a rotura muscular e ligamentar e a fratura óssea, sendo mais frequentes nos desportos de contacto.

Tratamento e reabilitação
Dependendo do tipo de lesão e da sua gravidade, existem vários tipos de terapêuticas médicas e cirúrgicas. Atualmente, graças a técnicas modernas, a cirurgia pode ser minimamente invasiva (com menor agressão dos tecidos e recuperação mais rápida e menos dolorosa), realizada em regime de ambulatório ou apenas com 24 horas de internamento (cirurgia one day).
A reabilitação requer, geralmente, uma abordagem multidisciplinar sendo adaptada ao tipo de lesão, visando a recuperação funcional da região afectada e preparando o regresso do doente à prática desportiva, com segurança.

Cinco conselhos para prevenir lesões

1. Faça um check-up desportivo antes de começar a praticar qualquer modalidade.

2. Se não pratica desporto há algum tempo recomece de forma gradual, aumentando progressivamente a intensidade e a duração do treino.

3. Antes de praticar exercício físico faça sempre um aquecimento de cerca de 10 minutos.

4. O calçado deve ser sempre adequado à modalidade desportiva que vai praticar. Aconselhe-se com um especialista em Medicina Desportiva. Por exemplo, os ténis devem ser comprados ao final do dia ou após uma caminhada pois os pés incham um pouco quando se pratica exercício físico e é importante contar com um “espaço extra” antecipadamente.

5. Se sentir dor interrompa o treino e procure ajuda médica especializada.