Mitos da alimentação

    0

    O tema da alimentação e nutrição é fascinante. Por outro lado, há tanta informação disponível na internet, e muitas vezes contraditória, que pode acabar por ficar mais confuso do que esclarecido. Leia o artigo até ao fim e fique esclarecido de uma vez por todas.

    O cérebro precisa de doces para funcionar.

    Verdade. O cérebro precisa de açúcar para funcionar. Mas, nesta matéria, existem açúcares melhores que outros. O que existe nos alimentos de baixo índice glicémico (cereais integrais, feijão seco, frutos e legumes) é suficiente para garantir o bom funcionamento de todo o organismo, incluindo o cérebro. Já os que se encontram nos doces e guloseimas podem saber-lhe melhor e dar mais energia, mas esse efeito é fugaz e passado pouco tempo voltará a ter fome.

    Todas as gorduras fazem mal.

    Falso. É verdade que as gorduras saturadas e as trans (que se encontram, por exemplo, nos enchidos, leite gordo e seus derivados, biscoitos ou bolachas) favorecem o aumento do mau colesterol. No entanto, as gorduras insaturadas, quando consumidas com moderação, ajudam a controlá-lo.

    Aposte mais no peixe, nos óleos vegetais e nos frutos secos, que o seu organismo agradece. Estas gorduras ajudam a regular a temperatura corporal e asseguram o transporte de certas vitaminas (A, D, E e K), essenciais ao corpo. Porém, quando satisfeitas essas necessidades, ficam armazenadas no organismo e lá aparecem os quilos a mais.

    O azeite é uma gordura saudável.

    Verdade. O azeite tem as mesmas calorias que as outras gorduras e deve ser consumido com moderação, ou arrisca-se a engordar. A diferença é que tem antioxidantes na sua composição, que ajudam na prevenção das doenças cardiovasculares e do cancro. Por esse motivo, recomenda-se o uso de azeite para cozinhar e temperar os alimentos.

    O mel faz melhor do que o açúcar.

    Verdade. Embora seja mais calórico, o mel é rico em antioxidantes, que previnem as doenças cardiovasculares, o que em termos nutritivos se revela a melhor escolha para o organismo.

    O pão é inimigo da dieta.

    Depende. O pão não é muito calórico e oferece ao organismo hidratos de carbono. O que pode engordar é aquilo que você lhe acrescenta: manteiga, queijo, paté, etc.. Opte por pão simples., ao lanche ou de manhã, com acompanhamentos saudáveis (queijo fresco ou fiambre das aves, por exemplo). Convém que escolha pão integral e que não exagere na quantidade. Não precisa de mais de uma ou duas porções por dia.

    Os sumos de fruta substituem as frutas.

    Falso. É sempre preferível comer a fruta de forma natural, por várias razões. Além de saciar mais, ao ser transformada em sumo perde alguns nutrientes, como as fibras, que se concentram na parte sólida ou na casca. Além disso, se não beber o sumo até 20 minutos depois de o fazer, também perderá a vitamina C, que oxidará em contacto com o ar.

    A fruta engorda.

    Verdade. Em excesso, é claro que engorda, uma vez que tem a frutose (o açúcar da fruta) que se não for “queimado” também se acumulará no organismo sob a forma de gordura.

    As bolachas de água e sal não são calóricas.

    Falso. Por serem feitas com uma massa semelhante à folhada, absorvem muita gordura. Ainda por cima têm bastante sal.

    Os produtos light têm menos calorias.

    Depende. A palavra light não significa que determinado produto contenha menos gordura e açúcares que a sua versão tradicional. Preste atenção ao rótulo e nada de cair na tentação de duplicar a dose só porque é light.

    A única carne que emagrece é o frango.

    Falso. É verdade que esta carne é magra, mas não é a única. Coelho e peru são outra alternativa. Mas atenção, esses benefícios desaparecem se as fritar em óleo ou encher de molhos. Devem ser consumidas juntamente com outros alimentos saudáveis, como saladas ou legumes.