- Publicidade -

Na corrida podem surgir complicações comuns, como lesões e dores lombares, que acabam por prejudicar o desempenho do atleta. Segundo especialistas, isto ocorre, em parte, devido à ausência de fortalecimento muscular. Embora exista quem ainda acredite que o ganho de massa muscular pode atrapalhar a corrida, deixando os corredores mais lentos e pesados, cada vez mais são os atletas que recorrem à prática da musculação, como complemento da sua preparação física, alternando ou fazendo as duas actividades no mesmo dia.

Profissionais afirmam que nenhum desporto é completo por si só e, por isso, um treino de reforço muscular pode beneficiar em muito o corredor, pois previne lesões, doenças musculares, ósseas e metabólicas, e melhora na mobilidade e postura, entre outros.

Benefícios da musculação no corredor:
  • Proporciona ao corpo a resistência e força que precisa, diminuindo o impacto nas articulações gerados pela corrida, principalmente dos quadris e joelhos.
  • Melhora a coordenação motora, a flexibilidade e a postura do atleta.
  • O treino de musculação específico para corrida ajuda o atleta a ganhar mais potência e agilidade, melhorando o movimento na superação de obstáculos e em diferentes percursos, como subidas e descidas, sprints, ou na ultrapassagem de um adversário.
  • Rende mais energia ao corredor, que poderá evoluir com mais facilidade, conseguindo realizar provas de longa duração e maratonas.
  • Ao longo do tempo o corpo perde naturalmente massa muscular, ainda mais a quem corre, e a musculação é uma forma comprovada de retardar desse processo.
  • Nos treinos de corrida, principalmente os de longa distância, perde-se muita massa muscular e força, daí o trabalho de musculação ser importante, pois este método proporciona força e velocidade aos corredores, diminui futuras lesões, além de ajudar a atingir melhores tempos em provas.

Os corredores devem ser orientados de acordo com a sua capacidade física e objectivo.

O ideal é ter uma combinação de exercícios de resistência, com pouca carga e um número elevado de repetições – três ou quatro séries de quinze ou vinte repetições, com movimentos lentos -, para membros inferiores e superiores, região abdominal, além da prática regular de alongamentos. Isto por, de um modo geral, o corredor não gostar de demasiada musculatura, embora reconheça a necessidade e, por outro lado, para prevenir dores nas articulações (que podem surgir caso a carga, séries e repetições sejam em demasia).

Dos exercícios possíveis, é aconselhável: o agachamento livre e passada com haltere, por trabalhar os músculos das coxas e glúteos; o supino plano (180º), indicado para o peitoral, ombros e tríceps, além de ajudar na postura durante a corrida;  a remada alta com barra que, além de ajudar na postura, reforça os ombros e o músculo trapézio; entre outros.

É importante ter em conta que o treino de musculação para quem pratica corrida é diferente dos exercícios para quem quer ganhar somente massa muscular. O treino deve ser específico pois, se houver um ganho de massa em excesso, ou um trabalho intenso de força, o atleta pode comprometer o seu desempenho durante uma prova, devido, por exemplo, ao ganho de peso, limitação do movimento e contracção muscular inadequada.

Depois de qualquer treino, seja corrida ou musculação, o corpo precisa de 24 a 48 horas para recuperar completamente, dependendo do grau de intensidade do treino a que o atleta foi submetido.

Porém, a opção de treinar corrida, musculação ou descansar no dia seguinte vai depender no nível e capacidade física de cada corredor.

Qualquer actividade física deve ser realizada após avaliação e acompanhamento médico e sob a orientação de um personal trainer.