O que deve fazer se sentir dores num trail

O que deve fazer se sentir dores num trail

0
- Publicidade -

Para começar, convém ter a noção de que se ainda não tem um ano de experiência nos trails, o normal é o seu corpo se queixar, pois ainda está no processo de adaptação, especialmente a nível muscular e articular. Assim sendo, as queixas e algumas dores são mais do que normais, uma vez que nunca submeteu o seu corpo a este nível de exigência física e estes estímulos são uma novidade. O importante é prestar atenção às queixas do seu corpo.

Podemos dizer-lhe que esta primeira fase se pode prolongar durante os dois primeiros anos de prática, por isso tome nota de alguns truques para superar esta etapa sem cair em desespero:

1 – Não é o primeiro a sentir dores enquanto corre. Para um runner é muito raro não ter algum tipo de dor enquanto corre e ainda para mais quando se é um rookie. Já devia saber que correr é um dos desportos mais traumáticos que existe, ainda para mais quando é feito em trilhos e gosta de correr pelas encostas abaixo. Preste muita atenção a este ponto, pois no caso dos trail runners são precisamente as descidas que provocam maior desgaste muscular. A força excêntrica que efetua para travar e não fazer o resto da descida a rebolar é a que costuma criar mais problemas.

2 – Quando já existir alguma dor é a altura de colocar em marcha o senso comum e avaliar o problema. Se a dor é incapacitante, não arrisque e consulte um médico logo que possa. Uma ecografia na altura certa ajuda a obter o melhor diagnóstico e a começar o tratamento em tempo útil. Se a dor não é incapacitante, mas incomoda bastante, ainda vai a tempo de se curar a si mesmo. Descanse durante 1-2 dias, diminua a qualidade/quantidade do treino, vá com calma e o mais certo é melhorar. É muito melhor reduzir o ritmo e perder dois dias de treino do que continuar a arriscar e perder o seu bom estado de forma por causa de uma lesão que dure duas semanas.

3 – Relativamente ao tipo de médico que deve procurar em caso de lesão, há quem confie mais nas mãos dos fisioterapeutas, outros nos médicos desportivos. O importante é acertar no diagnóstico, pois é a partir daí que surge o tratamento mais adequado. Não temos dúvidas de que nalguns casos o fisioterapeuta/fisiatra possa ser o profissional adequado… se for realmente bom no que faz e tiver muita experiência. A nossa recomendação é simples: se quer ganhar tempo e obter um diagnóstico fiável, procure um médico desportivo que o submeta a uma ecografia ou radiografia (quando o tema são os ossos) e a partir daí poderá ver as recomendações mais coerentes para o seu tratamento.