PÂNICO … SANGUE NA URINA!

0

Aqui está uma situação que pode acontecer a qualquer corredor … Ao urinar, ver surgir traços de sangue, qual líquido avermelhado que se traduz num automática sensação de pânico, verdadeiro arrepio gélido que sobe pela espinha acima e nos leva a pensar em situações de quadros clínicos  dramáticos onde a associação a doenças graves  fica logo espelhada.

Será este um caso frequente entre os corredores? Será que a corrida, um bálsamo fantástico que todos mencionam como poções mágicas de saúde bem comprovadas, pode conduzir a riscos físicos fatais, em que o sangue na urina é um sério aviso para se abandonar tudo? Bom, vamos por partes. Na realidade, o aparecimento de sangue na urina é algo que inevitavelmente vai levar o atleta a parar osseus esforços e a consultar ‘um médico, de maneira a certificar-se se é uma situação ocasional ou se está perante um quadro clínico grave. Para um cidadão sedentário, o aparecimento de sangue na urina é quase sempre traduzido por se estar perante um quadro clínico grave, mas, para um corredor, “sobretudo se estiver a’ efectuar treinos prolongados e regulares, a razão do “pânico” pode ser justificado por algo muito mais “suave”, em que o medo que o seu aparecimento transmite deve ser compreendido pelo próprio desportista.

Ao logo da nossa experiência pessoal como clínico no Canadá, nomeadamente envolvido com desportistas de todos os níveis atlético e dos mais variados, não é uma situação muito frequente entre praticantes de outros desportos. No entanto, entre corredores e principalmente aqueles que se dedicam a esforços prolongados, quase poderemos afirmar estarmos perante um quadro clínico normal, embora com associações de possível gravidade. Evidentemente que, para os praticantes, o ver a sua urina sair avermelhada é algo que assusta e se não houver um devido esclarecimento por parte dos clínicos, pode mesmo levar o desportista ao abandono puro e simples do seu desporto favorito. Regra ‘geral, os atletas que nos têm abordado com situações destas acabam por colocar a seguinte questão bem pertinente: – Então Doutor, dizem que a corrida, a prática regular da corrida, faz bem à saúde e agora estou a urinar quase sangue?

É um tipo de pergunta que merece resposta centrada no esclarecimento e na compreensão dos mecanismos fisiológicos que dão origem a essas situações extremas. Pois é precisamente a pensar neste esclarecimento que resolvemos escrever o presente texto, com o objetivo de, igualmente, acalmar os atletas que caiem nestes quadros clínicos traduzidos na fase dramática:

DOUTOR ESTOU A URINAR SANGUE!

Comecemos por apresentar alguns esclarecimentos de natureza médica. As células vermelhas do sangue na urina são denominadas de Hematúria e poderá” estar associada a um problema grave do aparelho urinário. ‘Porém, no caso dos corredores de fundo, a situação pode

ser considerada de quase normal. Nem sempre a quantidade de sangue na urina é visível, pois pode ser bem pequena e passa despercebida entre a totalidade do líquido expelido durante o ato de urinar. Quais são as principais causas destas pequenas ou grandes hematúrias?

 PEDRAS NOS RINS OU NA Bexiga

– São vários os minerais que circulam na urina e podem concentrar-se em certas condições e reter-se ao nível da bexiga, a ponto de virem a provocar derrame de sangue na urina. Cálcio e ácido úrico são alguns, entre outros, que podem originar estas situações.

 INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO

– Quer ao nível da bexiga, uretra e canais associados, podem surgir determinadas infecções, traduzidas por maior frequência em urinar, dores no acto de o fazer, enfim, manifestações nada normais que acabam por alertar o paciente.

LESÕES E DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

– Estas são causas muito comuns que originam hematúrias e que implicam exames médicos profundos.

INFEÇÕES DA PRÓSTATA

– Sendo a próstata um órgão sexual masculino que rodeia a parte superior da uretra, é frequente a emissão logo a baixo da mesma, principalmente nas pessoas com mais idade.

CANCRO DA PRÓSTATA

~ Em estágios mais avançados, pode surgir a emissão de sangue na urina. Idêntica situação perante cancro da bexiga ou do rim.

DOENÇAS HEREDITÁRIAS

– Situações como o Sindroma de Alport e anemia falciforme que afetam os glomérulos dos rins, são os casos mais comuns.

MEDICAMENTOS E DROGAS – A ingestão de drogas duras e também excessos de aspirinas e penicilina, são fatores que podem provocar derrame de sangue por via urinária.

EXERCÍCIO FÍSICO INTENSO

– Atletas de Alta Competição envolvidos em situações de treinos intensos, ou de provas demasiado duras e longas, podem vir a sofrer de hematúria. Estas são as principais situações clínicas habitualmente descritas como possíveis causadoras do tal pânico que se gera quando se vê sangue na urina. Por outras palavras e de uma forma direta: Todos os casos mencionados são graves, mas, para quem corre, o último citado (Exercício Físico Intenso) é, sem dúvida o mais pacífico de ser solucionado e de uma maneira rápida e bem precisa.

18% DOS MARATONISTAS … !

 Num estudo que levámos a cabo com 120 praticantes de corridas longas, isto é, atletas que alinhavam durante a época em provas superiores ou iguais a Maratonas, apurámos que 18% destes corredores apresentaram, num ou mais momentos ao longo da época, emissões esporádicas de sangue na urina. Pois é, 18%!… Pode parecer pouco, mas é. muito e, de certa maneira, comprova-se que o “tal sangue que provoca pânico” é mais frequente do que há alguns anos se poderia vir a pensar. Todavia, qual a razão do aparecimento desse líquido escuro, de quase sangue, na urina desses desportistas? Em termos específicos, e embora se saiba que podem existir outras variantes, há que apontar as seguintes causas já estudadas:

1 -Traumatismos exagerados quanto ao contacto frequente do pé com o solo. Na realidade, ser corredor de fundo implica efectuar milhões de passadas, e nesses milhões de vezes obriga-se o pé a conta ta r fortemente superfícies duras, como, por exemplo, o asfalto. Essa enormíssima onda de impactos, quase constante, pode desencadear a micro destruição mecânica das células vermelhas do sangue, originando hematúrias mais ou menos fortes. Esta é uma explicação muito plausível, mas li verdade é que também se constata emissões de sangue em ciclistas e nadadores de Alta Competição e, no entanto, este tipo de desportistas não sofre demasiados impactos do pé com o-solo … Pelos vistos, a globalidade dos trauma tismos mecânicos provocados pelas passadas de um

2 -Outra das causas citadas, e profundamen estudadas, prende-se com os fatores d desidratação extrema. Perante quadros de grandes perdas de líquidos e consequentemente, de profundas alteraçõe. electrolíticas, acidose láctica e radicais livre. que são libertados durante o esforço físico.

3 – Por último, cita-se a situação de um repetido impacto da parede da bexiga contra o saco da mesma. É uma situação que se verifica em certos uItramaratonistas, embora em escassas percentagens.

O QUE FAZER?

Para além da necessária consulta médica e consequente exame clínico especializado, a primeira medida que o desportista deve imediatamente tomar é ingerir todos os dias maior quantidade de líquidos, quer através de água, quer de sumos e sopas. Na realidade, o aparecimento de sangue na urina nos corredores está quase sempre associado a estados de desidratação, o que pode ter raiz crónica.

Outro aspecto a reter, prende-se com a chamada automedicamentação, pois sabe-se que a maioria dos corredores de fundo, muitas vezes por sua conta e risco, ingerem com regularidade vitaminas, sais minerais e suplementos proteicos e glúcidos, numa misturada que, às vezes, mais não serve do que para tornar a carteira do atleta mais vazia!

Em termo clínicos, este “amontoado” de vitaminas e outros suplementos é suscetível de provocar desequilíbrios nutritivos, cuja consequência pode passar pela. emissão de sangue na urina. Mas, e quanto à teoria dos impactos frequentes do pé com as superfícies duras? Pensando bem, quem correr descalço está mais desprotegido para essa situação. Mais e fortes impactos (sem a proteção dos bons sapatos) provocaria maior destruição de glóbulos vermelhos. ou seja, maior facilidade no aparecimento de sangue na urina. No entanto, um estudo recente mostra-nos que não há diferenças significativas entre os corredores que habitualmente correm sem sapatos e os que o fazem devidamente calçados.

Enfim, se o leitor é um corredor de fundo, digamos; que alinha em distâncias iguais ou superiores à Maratona, ou se regularmente é submetido a semanas de volumes de treino superiores s 150 km, então é quase certo que já sofreu ou pode vir a sofrer de periodos com sangue na urina, quer sejam do tipo visível (hematúria macroscópica) quer’ invisível (hematúria), pois dados da Boston University apontam para 20 a 90% dos corredores de distância como tendo, vestígio de sangue na urina no final das suas longas provas. Regra geral, perante a ingestão regular de líquidos tudo desaparece nas 24 a 48 horas seguintes, ou seja, quando já estão reequilibrados os parâmetros hídricos e de sais minerais do organismo. Sangue … Pânico? Talvez, mas estamos certos de que, após a leitura deste nosso texto, muitos corredores ficarão mais calmos e com “ferramentas” para poderem “combater” esses “pequenos nadas” que, ocasionalmente, possam surgir durante a prática do seu desporto favorito. Na realidade, é caso para dizermos que quanto mais informação os corredores tiverem, mais seguro será a sua prática desportiva. Alguém tem dúvidas?

Pelo Dr. Arthur Shepley

Revista SP 197· .JULHO· 201 1