PNL e prestação no desporto..

0

Primeiro que tudo e estão todos (ou quase) a questionar o que é PNL? Traduzido «à letra» significa Programação Neurolinguística, e perguntam de novo… sim e isso é o quê? Ok, leiam o artigo até ao fim e vão perceber um pouco acerca desta ferramenta poderosíssima e que qualquer um de nós pode desenvolver.

Um pouco da história da PNL 

A PNL foi originalmente desenvolvida pela genialidade de Richard Bandler e John Grinder e surgiu o modelo de comunicação que recebeu o nome de Programação NeuroLinguística:
programação (como estruturamos as informações), neuro (nós temos um sistema nervoso similar) e linguística (a língua que falamos). A revolução da PNL ultrapassou o campo da comunicação humana, passou pela psicoterapia e estendeu-se para as mais diversas áreas da atividade humana. A PNL é uma ciência aplicada, e como tal oferece aos profissionais procedimentos específicos que podem ser aplicados em treino, na educação, no desporto, nas negociações, nas vendas e na terapia.

Em psicologia e neurociência tem-se vindo a verificar um crescente interesse no emprego dos conhecimentos do funcionamento da mente e a sua aplicação na prestação em desporto. O que nos oferece a PNL neste quadro? Como lidar com a mente em momentos de tensão? Como evitar os efeitos da desilusão, das lesões, da derrota? Como transformar ou utilizar recordações frustrantes e limitadoras? Como criar estados emocionais positivos favorecedores da vitória? Como facilitar a dinâmica facilitadora de estados de triunfo numa equipa? Como ir ao encontro dos elementos de motivação de um atleta particular ou de uma equipa? Estas são algumas das perguntas que se colocam quando pensamos neste tema. 

Coaching mental no desporto

Já na antiguidade nos jogos olímpicos clássicos, nas suas lutas de vida e morte, os atletas eram mentalmente motivados a serem um exemplo para o povo, pelos governantes. Atualmente Coaching mental assume aspetos como lidar com as tensões durante a competição, manter a focalização e a motivação tanto durante a vitória como na derrota, prevenção de lesões, criação de flow, neutralização de crenças limitadoras, manutenção do espírito de equipa, criação de rotinas, sintonização de objetivos individuais com os objetivos do grupo, etc. Ou seja leva a uma forte preparação mental para atingir objetivos específicos sejam individuais ou de equipa.

A relação mente e corpo 

O que distingue um atleta de sucesso é a sua “mentalidade”.

O corpo obedece diretamente às construções da mente. Temos exemplos de excelentes atletas com excelentes características físicas mas que depois em dia de competição deixam muito a desejar e o trabalho de uma época pode ser posto em causa. O mesmo se verifica, também no running, quantas vezes já ouviu ou presenciou performances de atletas que em termos físicos deixam muito a desejar mas que conseguem boas prestações desportivas, e por vezes mesmo nós treinamos imenso e pensamos que estamos preparados e nos dias de prova ficam à nossa frente atletas e colegas que não treinam assim tanto…identifica-se? Isso é trabalho MENTAL…

Sem representações adequadas ao sucesso, o corpo não responde como deveria. O corpo reage imediatamente a uma dúvida, à imagem que se tem do adversário, à representação que se tem de si mesmo. As representações internas criam um estado, sensações e emoções, e são estas sensações e emoções que determinam em grande parte o sucesso e o fracasso.

Como é óbvio o treino físico é fundamental para atingir determinadas performances, no entanto o que acompanha esse sucesso, ou o que nos faz atingir o topo é a parte mental. Quem tem maior capacidade de sacrifício e consegue permanecer mais tempo na «dor» (sim porque exercício é «dor» se ainda não tinham percebido) tem maior probabilidade de atingir o sucesso e o objetivo.

Alguns exemplos

Em 2002 Bibian Mentel era uma candidata com grandes possibilidades de conquistar ouro nos jogos olímpicos em Salt Lake City até que foi descoberto um tumor na perna direita que levou à amputação. Quatro meses depois já Bibian, com toda a sua paixão por ski e surf, deslizava sobre as águas. Meses mais tarde era, pela sexta vez campeã da Holanda. Trabalha e viaja por todo o mundo como manager de atletas para a Red Bull, é diretora de uma escola de surf e fundou a Mentelity Foundation onde mostra que um handicap não é necessariamente um impedimento para uma prestação de valor. Em 2009 foi campeão do mundo de surf, na Nova Zelândia, nos paralímpicos.

E que sobre Nick Vujicic, sabem da história deste maravilhoso homem que nasceu sem qualquer membro e vive a vida como se não houvesse amanhã, dá palestras sobre motivação, é casado, pratica surf e é FELIZ…

Para quem quiser saber mais detalhes sobre este exemplo vejam este link

http://www.youtube.com/watch?v=ttbQx06e0Yw

Lidar com representações mentais

O que faz a grande diferença em PNL é o ensinamento muito simples de como construir as representações adequadas à realização do objetivo que se pretende. Isso faz-se através do manusear das características das representações, ou seja, das submodalidades sensoriais das imagens, sons e sensações corporais que a mente produz: cor, tamanho, distância, movimento, volume, timbre, cadência, temperatura, peso, etc. Uma atividade desportiva de sucesso tem outras características mentais que uma atividade fracassada. Em PNL estuda-se e trabalha-se com essas estratégias mentais.

O poder da visualização

 Para termos sucesso precisamos de uma técnica entre muitas da PNL, a chamada modelagem que visa a procurava de especialistas na área, devemos investiga como pensavam, o que veem, ouvem, sentem, em que acreditam, o que fazem repetir tudo isso mentalmente. Não basta agir. A repetição mental vai influenciar diretamente as funções motoras necessárias e isso facilita imenso a aprendizagem.

Mas como é obvio também não basta só pensar, é preciso agir e adequar o comportamento à visualização, pois as pessoas de sucesso tem um plano de ação e põem-no em prática.

Acreditar e agir

Um viajante chegou à margem de um rio e um barqueiro preparou-se para o atravessar para a outra margem. Era um barco a remos e havia em cada remo uma inscrição: num estava escrito “acreditar”, no outro, “agir”. Intrigado o viajante informou-se sobre o significado.
O barqueiro era pessoa de poucas palavras e começou a remar com um remo. Claro que o barco começou a dar voltas sem sair do lugar. Então fez o mesmo com o outro remo, com o mesmo resultado. Empregando então os dois remos, chegou facilmente à outra margem. O viajante não fez mais perguntas durante a travessia.

Criação automática de estados

Outra ferramenta inestimável para prestação no desporto é a chamada “ancoragem”. Consiste na criação de uma ligação automática entre memórias com um conteúdo emocional de sucesso e um estímulo externo ou interno (uma imagem, um som, um gesto, um toque, um cheiro…) No momento em que este estímulo é acionado, o atleta entra imediatamente no estado de recurso adequado para a competição.

Quantos atletas correm com música, esta cria motivação e aumenta o estado de alerta do atleta, ou simplesmente leva um amuleto, reza etc, tudo isto são estratégias de ancoragem que têm uma grande influência na performance final do atleta. É como um ritual e por isso são, sem que tenha totalmente consciência disso, as suas âncoras pessoais.

O estado emocional é tudo

Steve Gurney, 9 vezes campeão da travessia de costa a costa na Nova Zelândia, conta que numa modelagem feita entre vencedores de medalhas de ouro ao nível olímpico, nos Estados Unidos, se descobriu que os que repetiam o sucesso como vencedores, não eram aqueles que se concentravam em ganhar e ter dinheiro. Os vencedores eram os que se concentravam em competir com facilidade e despreocupação, de forma divertida e com paixão no desporto.

Se adotarmos essa mesma paixão pela vida e a vivermos de forma divertida o alcance dos objetivos será facilitado e a vida será vivida com mais alegria, saberemos dar valor às derrotas e aprender com elas para vencer e atingirmos vitórias, pois só iremos saborear verdadeiramente uma vitória se já tivermos tido uma derrota.

Motivar os outros

Motivar um desportista exige um conhecimento profundo daquilo que o move. Os motores da motivação são essencialmente os valores e a forma como se está direcionado para a sua realização. Faz uma grande diferença se se quer saborear a vitória ou evitar a dor da derrota, o que exige um tipo distinto de comunicação. Assim também são importantes os traços psicológicos do desportista, o seu perfil motivacional. O coach ou o líder de sucesso deve conhecer as aspirações e as tendências psicológicas naturais dos desportistas com que trabalha. Entra aqui também um profissional fundamental no desempenho do atleta: o treinador ou personal trainer, que deve ter todas as ferramentas e saber o mais possível do seu atleta para o poder motivar e ir ao encontro dos seus objetivos, pois 2 atletas que tenham o mesmo objetivo e capacidades físicas similares podem ter que ser treinados de forma totalmente diferente para atingirem o mesmo objetivo.

Palavras de um coach mental

Bouke de Boer, coach mental, entre outras, da seleção holandesa de hóquei, figura pública, escritor, diretor do NTI NLP, o Instituto Holandês de PNL a que estamos associados, em entrevista a um jornal diário: “Sou um mensageiro e tenho uma filosofia de vida que quero espalhar. Apresento-me sempre aos outros a partir da minha alma e dos meus motores mais profundos. Estou aqui para espalhar o amor, a paz e o respeito. Para fazer isso é necessário percorrer o caminho para o interior. Especialistas em coaching, atletas, desportistas olham, penso eu, ainda muito pouco para dentro de si. Acho que cada coach no mínimo, algumas vezes durante o ano, deveria ver-se ao espelho. Há muito a ganhar com isso, tanto no mundo do desporto como nas empresas”.

 Desporto e espiritualidade

Muitas pessoas não associam desporto com espiritualidade. No entanto é evidente o seu caráter espiritual e meditativo. Disciplina, focalização, repetição, congruência de ação e processos mentais, são precisamente os elementos básicos em meditação. Atletismo, natação, ciclismo, alpinismo,. golfe, ténis, equitação, futebol, halterofilismo, ginásio.. qualquer treino exige repetição de movimentos, cadência, transe, ultrapassar-se e acreditar SEMPRE nas suas capacidades, pois todos nós temos as ferramentas necessárias para atingirmos o sucesso, ninguém nasceu com mais capacidades, apenas as desenvolveu mais porque as treinou. Portanto TODOS NÓS PODEMOS SER O QUE QUISERMOS. E claro que tudo isto não tem lugar unicamente ao nível físico, corporal. Êxito em qualquer atividade e, em mais do que todas, na prestação desportiva, a identificação total com o momento, o aqui e agora, desprovida de elementos perturbadores do passado, mas também de medos e ilusões do futuro, é essencial.

SUPERA-TE, ACREDITA, LUTA E …ALCANÇA…

«Os vencedores nunca desistem, persistem, torna-te um.»

Bibliografia: Coach José Figueira
Raquel Madeira