Prevenir infecções gastrointestinais durante as viagens

0

Viajar para participar em corridas tem-se tomado um hábito frequente entre os corredores. Todas as expectativas de uma viagem inesquecível como a preparação, os treinos e o prazer de conhecer outro lugar podem ser comprometidos por um dos problemas frequentes nas viagens, as infecções.

Os distúrbios gastrointestinais durante as viagens são frequentes com prevalência entre 14 e 60% nos indivíduos que viajam para outros países.

A “diarréia do viajante” é causada pela contaminação da comida e água por bactérias, vírus ou protozoários. A incidência eleva-se quando as sanitárias e de higiene são precárias. De entre os agentes mais frequentes, a
bactéria Escherichia coli é responsável por 50% dos casos e outros agentes podem ser encontrados.

Os sintomas aparecem no terceiro dia de viagem, caracterizados por episódios de fezes líquidas com duração de 24 a 48 horas. Podem acompanhar dores abdominais, febre, náuseas e vómitos.
Embora os episódios de “diarreia do viajante” sejam em geral benignos e auto-limitados (resolvem-se de forma espontânea), a desidratação causada pela diarreia pode ser prejudicial ao atleta.

Quando viajamos para disputar uma prova de corrida, as infecções podem causar grandes transtornos ao treino ou até mesmo comprometer o resultado na competição. A diarreia do viajante pode ser prevenida seguindo-se algumas medidas:
Mantenha a sua higiene. lave as mãos durante 30 segundos com sabonete antes de cada refeição. Seque as mãos com toalhas de papel ou secadores de mãos.
– Beba líquidos a partir de garrafas ou recipientes lacrados com temperaturas frias.
Evite beber líquidos de garrafas abertas ou violadas, pois podem ser feitos com água contaminada.
– Evite colocar pedras de gelo nas bebidas, pois não se conhece a origem e o acondicionamento
da água congelada.

Evite beber água de torneiras.
Descasque todas as frutas antes de comer.
Evite comprar alimentos expostos ao ar livre ou em mercados locais.
Evite comer alimentos crus, alimentos não cozidos (carnes, peixe, ostras e ovos), produtos derivados do leite não pasteurizados e alimentos reaquecidos para consumo.

Evite alimentos que não estejam adequadamente aquecidos ou que tenham sido colocados para consumo por mais de duas horas.
– Evite comer alimentos desconhecidos.
Quando se deslocar para uma região de outro fuso horário, procure ajustar-se o mais rápido possível aos horários de alimentação, além de planear a exposição à luz do dia para reajustar o seu relógio biológico.
– Preste atenção à sua hidratação, principalmente durante o voo, pois a pressurização da aeronave e o ar condicionado aumentam a desidratação.

In: wwwnosamamosatletismo.net
Por.· DI: Cristiano de Souza Lawindo